A escolha do pneu

Sair para uma pedalada de  810km sem pensar em equipamento e segurança, é o mesmo que pensar em caminhar essa mesma distância e não se parar para pensar em qual tênis é o mais apropriado.

Quando comecei a escrever o blog, citei a importância dos pneus numa viagem dessas.

Ele é o protagonista dessa história em vários aspectos, que passam por segurança, durabilidade, estabilidade, e foi exatamente por isso tomamos a decisão de entrar nos mínimos detalhes sobre qual pneu nos atenderia melhor.

Medidas do pneu:

Em sua maioria, os pneus de MTB possuem 26″, 27,5″e 29″de diâmetro.

Uma outra medida que temos que entender e determinar, dependendo do tipo de viagem que se pretende fazer, é a largura do pneu. Com relação à largura, o que precisamos saber e que vai nos ajudar a tomar uma decisão é que, quanto menor a largura, mais rápida a rodagem, consequentemente menos aderência o pneu terá com o solo. Por outro lado, mais largo, mais resistência do pneu na rodagem, o que o torna mais estável e  mais lento.

Em geral, o que se pratica é o uso dos pneus de 2.0 polegadas ou menos para cross country em estradas sem muitos trechos técnicos; de 2.0 a 2.3 polegadas para estradas e single tracks que dependam mais do pneu; acima de 2.3 polegadas para uso de Downhill e All Mountain, onde o foco principal é a aderência.

Banda de rodagem:

Pensar na banda de rodagem, é traçar a expectativa do tipo de atrito que esperamos ter no trajeto. É definir um equilíbrio entre o tracionar e o deslizar. De todas as decisões, essa é a mais subjetiva, especialmente quando não sabemos exatamente o que encontraremos.

Nossa decisão passou, considerando também a previsão climática do período da viagem, e como ela será no verão, imaginamos ter um solo mais duro e menos escorregadio. Aprendi em minhas pesquisas e conversas, que os pneus mistos não são recomendados. Existe uma máxima que é:

“Pneu misto: ruim no asfalto, pior na terra!”

Fora isso, a banda de rodagem, tem várias outras decisões que passam por tipos de pneu próprio para asfalto e barro, trilhas batidas ou molhadas, pneus dianteiros que podem ou não ser diferentes dos pneus traseiros, enfim, não é exatamente fácil escolher o que será um dos nossos principais itens de segurança, entretanto é necessário um tempo dedicado a isso.

Pressão:

A pressão do pneu é um ponto de atenção que deve ser observado durante toda o trajeto. A cada trecho, precisamos avaliar o que nos espera para o dia, e adequar a pressão para se adequar ao trecho. Se buscamos mais aderência, em asfalto esburacado, trilhas mais escorregadias ou com muitos obstáculos, precisamos reduzir a pressão, já se vamos ter um trecho onde vamos imprimir mais velocidade é necessário aumentar a pressão. Além de melhor eficiência, vamos trazer uma maior durabilidade para o pneu.

Nossa escolha:

Nossa opção foi pelo pneu da marca Michelin Force AM

 

Tudo bem, que eu já era fã do Boneco da Michelin, o Bibendum como é carinhosamente chamado, mas o que nos fez tomar a decisão foi a tecnologia Michelin, assim como todo o atendimento e esclarecimentos que tivemos durante toda nossa pesquisa.

As medidas escolhidas são 26″que é o aro das nossas bicicletas, largura 2,25″, hard dry, extra grip.

O pneu de MTB Michelin Force AM TS foi desenvolvido em colaboração com os melhores corredores de Enduro, garantindo um melhor rendimento, motricidade e aderência em qualquer situação. Ele foi cuidadosamente concebido com três borrachas, o que agrega toda essa eficiência. Dentre as características passadas pelo time técnico da Michelin, a tecnologia Cross Shield garante também maior leveza, durabilidade e resistência.